Os consumidores estão cada vez mais exigentes

Os consumidores estão cada vez mais exigentes

Matt Langie durante o Adobe Summit, em Salt Lake City (EUA).

De acordo com pesquisa da IDG Connect em parceria com a Adobe, 100% dos principais departamentos de marketingo do Brasil usam análise de dados, mas apenas 24% integram dados offline e online. O planejamento de marketing das 100 empresas que participaram da pesquisa prevê ampliação da automação no marketing por meio de ferramentas digitais – atualmente 38% usa o serviço, mas o índice deve dobrar em 12 meses. Outras prioridades serão a segmentação das campanhas e veiculação em dispositivos móveis.

“Alguns setores estão começando a ver o potencial das experiências digitais agora, têm mais dificuldades em conectar os pontos do que está acontecendo. Quanto mais as empresas percebem que o consumidor está tendo experiências digitais, mais elas investem”, afirmou Langie. Segundo ele, as empresas que estão entrando agora no mundo digital devem focar os aparelhos móveis (smartphones e tablets), que já superaram os acessos a partir de computadores pessoais.

Além de desbravar um mundo novo, as companhias precisam lidar com um consumidor mais exigente, que quer o produto em tempo real, ao clique de um botão. “O cliente não tolera mais um site fora do ar ou ferramenta de busca que não funciona.” A mesma visão sobre o consumidor moderno é compartilhada pelo CEO da Adobe, Shantanu Narayen.

“Não queremos ser tratados como um número anônimo. Esperamos experiências diferentes no PC, no tablet, no smartphone. Nossa tolerância a experiências ruins está cada vez menor e a exigência cada vez maior. A empresa em tempo real é impulsionada por dados de consumidores, todos os sistemas precisam estar conectados”, afirmou o executivo.

Veja entrevista completa

Em outra palestra, no Adobe Summit, em Salt Lake City (EUA), Ray Pun diz que Apps serão “mina de ouro” do marketing digital, para ele, as companhias devem focar o desenvolvimento para celulares e tablets, não em sites para web que sejam apenas replicados nos aparelhos menores. E a “mina de ouro” é o desenvolvimento de aplicativos, que conseguem reter o cliente por mais tempo que a navegação pela web.

Veja entrevista completa